Ator fala do seu sucesso!

Klebber Toledo, intérprete de Guilherme da novela das 19h “Morde & Assopra”, acredita que a repercussão de seu primeiro papel como vilão está maravilhosa, apesar de constantemente levar broncas nas ruas. “Não entendo como podem amar um vilão. Aonde vou sou olhado e criticado. As velhinhas me chamam de mentiroso, me dizem o que posso e não posso fazer”, disse.

Ao conversar com a QUEM por telefone no intervalo das gravações, o ator paulista falou sobre o clima nos bastidores, a amizade com o elenco e relacionamentos amorosos. Solteiro, Klebber aproveita a boa fase ao lado dos amigos, mas avisa que não pretende ficar só por muito tempo: “Felicidade precisa ser compartilhada, não adianta ser feliz sozinho.” Sobre o assédio feroz das fãs, o ator de quase 25 anos - Klabber faz aniversário no dia 14 de junho -, reage com bom humor às mais assanhadas: “Elas não perdem tempo, já logo me agarram!”

1- Como apareceu a vontade de ser ator?
Sempre existiu, só não tinha muito onde buscar e correr atrás deste sonho. Comecei com agência de modelos, morava no interior de São Paulo – Nazaré Paulista - e não tinha nenhum lugar para fazer teatro, cinema. A minha cidade tem só 15 mil habitantes, não tinha muito onde buscar. Aos 15 anos sai de casa para jogar vôlei na capital. Disputei na Federação Paulista e já joguei contra muita gente que hoje está seleção, como o Bruno, filho do Bernardinho. A partir daí, criei mais coragem para correr atrás e procurar este lado artístico. Fiz o curso de Fátima Toledo.

2- Qual foi seu papel mais marcante na televisão até agora?
O mais marcante, sem dúvida, está sendo o Guilherme. Vim para a Globo na Oficina de Atores em 2006, e comecei com algumas participações especiais como em “Caras & Bocas”, até chegar em “Malhação”.

3- Antes de ser ator você chegou a trabalhar com alguma outra coisa?
Já trabalhei como modelo, garçom, vendedor, em eventos, promoções e festas, e até em escritório. Já fiz muita coisa antes de seguir na carreira de ator. Hoje, tenho uma produtora. Fico mais na área administrativa. Trabalhamos com shows, eventos, peças, clipes e com a assessoria de atores. 
4- Pensa em cursar alguma faculdade?
Já comecei a faculdade de fisioterapia, mas detestei, fiz apenas um mês e tranquei. Depois entrei em Educação Física. Apesar de ter adorado o curso, tive que trancar também, porque comecei a fazer a Oficina de Atores da Globo. Hoje faço artes dramáticas na Univerdade da Cidade, que também está trancada (risos). Não dá pra conciliar com a novela. Tenho vontade de cursar muitas outras coisas. Cinema, provavelmente filosofia... Queria fazer tanta coisa que acho que não teria tempo o suficiente na vida. Quando as gravações terminarem quero retomar meu curso e viajar bastante. Provavelmente para Nova York e Europa.

5- Você é supersticioso?
Meu nome é Klebber com dois "b”. Não foi pensado pelos meus pais especificamente na numerologia, mas a numeração do meu nome me agrada muito: 13. É o mesmo número do nome do meu empresário e da minha empresa. Mas acho que não sou supersticioso. Eu acredito muito em Deus e em energia positiva e negativa, mas não sou de carregar amuletos ou qualquer coisa do tipo.


6- Está morando no Rio de Janeiro desde quando? Gosta da cidade ou preferiria voltar para o interior?
Moro no Rio de Janeiro desde 2006, entre idas e vindas. Gosto muito de praia. Não gosto da bagunça e correria da cidade, mas calmaria também é para descanso. Gosto da loucura do Rio de Janeiro com a praia e momentos de lazer.


7- Mudou muita coisa na sua vida com o sucesso de “Morde & Assopra”?
Mudou porque o pessoal chega em mim para falar que me odeia! (risos).
Não vou dizer que estou acostumado, mas a “Malhação” tem uma visibilidade enorme. E agora “Morde& Assopra” também atinge público bem grande, desde crianças, até senhoras. Um monte de velhinhas falam que sou mentiroso, me dizem o que posso e não posso fazer. ‘Nunca vi alguém tratar a mãe deste jeito!’, elas me dizem.


8- Como é o clima nos bastidores?
É maravilhoso, impecável. A equipe inteira é fenomenal. Nunca tinha trabalhado com a Roberta [Richard, umas das diretoras da trama] antes e estou achando ela maravilhosa. Adoro todo o pessoal da produção, sempre brinco com todos. Minha parceira, Aline Peixoto, acabou virando muito minha amiga, assim como a Marina [Ruy Barbosa]. A Cássia [Kiss] é perfeita, super generosa. Eu paro para assisti-la em nossas cenas e depois corro para tentar acompanhar. O Guilherme foi um presente enorme. Fora as lições que aprendo com Paulo Goulart, Elizabeth Savalia, Ari Fontora... Estou cercado de pessoas maravilhosas. 
9- Como está o assédio das fãs? Já recebeu alguma proposta indiscreta por carta ou redes sociais?
Ah, são as coisinhas de sempre. Coisinhas bonitas, claro, eu adoro, me divirto. Ouço sempre um, “ele é bonitinho, mas ordinário” (risos). Já recebi algumas cartas no Projac. O pessoal chega e fala, "minha mãe te ama". E eu me pergunto, "Como assim amar vilão?". Ou se não, vem uma mãe e diz que a filha está apaixonada por mim. "Espera ai? Ela é apaixonada pelo mau?"(risos). Mas não tem mais jeito. Aonde vou tem aquela olhada, o povo reclama, mas acho isso uma resposta ótima.


10- O que é melhor na vida de solteiro?
Não sei te dizer, eu estou feliz. Estou em um momento de vida maravilhoso. Estou feliz porque estou bem comigo, mas acho que ter alguém é importante. Felicidade precisa ser compartilhada, não adianta ser feliz sozinho. A minha sorte é que tenho muitos amigos. Aproveito mesmo esta fase, mas dedico meu tempo livre ao trabalho. E vamos que vamos! O coração uma hora encontra. A gente não procura, é natural, se o coração for seu, vai ser seu pra sempre.


11- Se considera um cara namorador? 
Não, me considero de uns quatro anos para cá bastante focado. Claro que temos a fase de garoto, de curtir e ir para festas, mas hoje sou bastante tranqüilo. Gosto muito de receber em casa, não gosto de noitada. Sou mais de shows, teatro... Sou uma pessoa do dia, e não da noite. Gosto de ir à praia e surfar.


12- Você já ficou com alguma fã?
Se a pessoa não fosse minha fã não teria como não ficar. Ao mesmo tempo, se eu não fosse fã dela não daria certo. O amor vem da admiração. Mas, que eu saiba, nunca fiquei com uma fã, fã mesmo. Elas não perdem tempo, já logo me agarram, principalmente em eventos. Mas acho isso é maravilhoso, não tem como não achar.
Compartilhar no Google Plus
Postar um comentário
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial